Dicas para ententer crianças presas em casa
Na nossa saga por ler mais autoras/escritoras mulheres, nos jogamos no
vencedor do Pulitzer de Ficção 2011, "A visita cruel do tempo" da
norte-americana Jennifer Egan que faz parte do catálogo da Intrínseca,
parceira aqui do blog.

A visita cruel do tempo



Jennifer é escritora e jornalista, além de seus livros, escreve
regularmente para o New York Times Magazine - mais recentemente
sobre gravidez e parto entre mulheres dependentes de remédios/drogas
que reproduzem os efeitos de ópio.


Crédito da foto: © Pieter M. van Hattem


Vou confessar que "A visita cruel do tempo" me surpreendeu. Principalmente
porque a cada início de um dos seus 13 capítulos você de fato é surpreendido
e aos poucos vai decifrando o personagem principal, o momento da história e
a conexão com tudo que veio antes. Confuso? Nem um pouco! Porque a autora
mistura diferentes perspectivas, vozes, cenários e personagens em uma leitura  
envolvente e convidativa, te dando pistas claras (porém sem explicar diretamente
com datas) sobre o que está apresentando. Para ter uma ideia, um dos capítulos,
é uma Apresentação de slides de Power Point feito na perspectiva de
uma menina de 12 anos.


O que une todas as histórias? A perspectiva dos Relacionamentos - criados,
vividos, experimentados. De forma nada linear, os personagens ora são
protagonistas, ora coadjuvante nas narrativas.


"Bennie Salazar é um executivo da indústria fonográfica. Ex-integrante
de uma banda de punk, ele foi o responsável pela descoberta e pelo
sucesso dos Conduits, cujo guitarrista, Bosco, fazia com que Iggy
Pop parecesse tranquilo no palco. Jules Jones é um repórter de
celebridades preso por atacar uma atriz durante uma entrevista e vê
na última - e suicida - turnê de Bosco a oportunidade de reerguer a
própria carreira. Jules é irmão de Stephanie, casada com Bennie, que
teve como mentor Lou, um produtor musical viciado em cocaína
e em garotinhas. Sasha é a assistente cleptomaníaca de Bennie,
e seu passado desregrado e seu futuro estruturado parecem
tão desconexos quanto as tramas dos muitos personagens
que compõem esta história" - Site da Intrínseca


Por um lado, acontece um grande desapego, porque você vive fragmentos
das histórias e em muitos fica o desejo de saber mais, de continuar daquele
ponto de vista ou conhecer mais sobre o personagem. Por outro lado, o que
a autora te entrega é esse desconforto do tempo na prática.


"Eu não sinto o tempo como linear. Eu experimento-o em camadas
que parecem coexistir... Uma coisa que facilita esse tipo de viagem
no tempo é a música, é por isso que eu acho que a música acabou
sendo uma parte importante do livro. Também, eu estava lendo Proust.
Ele tenta, com muito sucesso, em alguns aspectos, captar o sentido
da passagem do tempo, a qualidade da consciência, e as maneiras
de contornar a linearidade, o que é o estranho flagelo da escrita em prosa.
- Depoimento da autora


Em 2018, a autora lançou um novo romance "Praia de Manhattan", que já
estou louca pra ler.


Para saber mais:
Site da Autora http://jenniferegan.com/
Livros publicados pela Intrínseca: https://www.intrinseca.com.br/autor/102/