Dicas para ententer crianças presas em casa
Aqui é a Márcia do @boaleiturabomapetite!!!

Por aí na sua casa tem papai e também uma linda menina? 

Aqui está um livro que vocês precisam ter. Criado pela premiada autora e ilustradora Marilda Castanha, este livro “A quatro mãos” nos fala, com delicadeza,

sobre as pessoas queridas que nos acompanham na vida, e sobre as suas mãos, gestos e tudo que eles podem representar.

 Sabemos bem que a medida que crescemos, muitas mãos passam pela nossa vida. Elas nos ajudando a levantar quando caímos, a comer, a dar um abraço apertado. 

Este livro nos apresenta a história de um pai e uma filha que, juntos, crescem e mudam com o passar do tempo, mas, nunca deixaram de dar as mãos.

Esta é uma história sobre a passagem do tempo, representada pelos caminhos que uma menina percorre ao lado de seu pai.

Seja para carregá-la no colo, brincar de balanço ou dar um abraço, ele está sempre por perto, lhe estendendo a mão.

Muito carinhoso e terno!
Boa leitura!
Recebemos mais um pacotinho lindo do CLUBE ADOLETRA!

Se você tem duas crianças (que é nosso caso) e elas não se encaixam num único perfil, podes escolher a assinatura com dois livros de perfis diferentes.

Pensando nos leitores assíduos (como nós) que já podem ter o título do mês na sua biblioteca, eles oferecem sempre uma segunda opção, ou seja, é possível trocar o livro principal por um alternativo. 

Além da ótima curadoria, esse foi o maior diferencial em relação aos outros clubes. Os livros selecionados são apresentados no site até o dia 10 de cada mês e enviados até o dia 20. Vamos mostrar pra vocês os livros que recebemos da seleção de Novembro. 

 Recebemos este mês dois livros:

OS SÁBADOS SÃO COMO UM GRANDE BALÃO VERMELHO por Liniers, da V & R editoras.

Uma história terna sobre duas irmãs pequenas que acordam num sábado, faceiras, loucas pra aproveitar o máximo o dia. Porém, depois do café da manhã percebem que está chovendo e isto frusta um pouco. 

A mais velha decide que este pequeno detalhe não vai estragar o dia e corre pra brincar lá fora e mostra pra irmã como pode ser super legal brincar na chuva. A pequena imita tudo que a outra faz e logo está adorando... Só que a irmã mais velha fica tão empolgada e tão feliz uma hora, que age sem pensar, e a irmãzinha perde um dos seus brinquedos favoritos.
Uma história sobre infância, amizade entre irmãs, felicidade nas coisas simples e ternura.

ROBÔ SELVAGEM um livro escrito por Peter Brown. Da editora Intrínseca.

É a história de um barco de mercadorias que afunda ao bater na costa de uma ilha e, com isto, várias caixas são destruídas e liberadas no mar.
Apenas uma caixa sobra intacta na ilha. Lontras que observavam o ocorrido perceberam a caixa que sobrou e tentam abri-la. Ao fazer isso, descobrem que ali tem um ser diferente. Ao encostar nele, clicam num botão, sem querer que inicia a mente do ser, que na verdade é um robô.
As lontras se assustam e fogem, enquanto o robô se apresenta. Na verdade descobrimos que é UMA robô. Ela tem de se acostumar com o clima e aprender os costumes do local, pois não tem a menor ideia de como foi parar ali.
Na ilha só tem animais, são muito selvagens, como ela é muito diferente de todos, ninguém quer ser amigo dela e ainda por cima chamavam-na de monstro. O diferente sempre assusta.
Durante muito tempo, todos se afastavam.
Aos poucos vai aprendendo a viver naquele ambiente hostil e como foi feita para ajudar, acaba aprendendo com os animais, vendo suas dificuldades e ajudando-os instintivamente. Com isso, os outros seres vão perdendo o medo de ficar perto dela.
Certa vez acontece um deslizamento e Roz (como a robô se chamava) acaba caindo em cima de uma árvore onde viviam uma família de gansos. Roz por puro instinto pegou o ovo, único sobrevivente, o pôs no ombro e foi procurar ajuda, alguém que lhe daria dicas sobre como cuidar do achado. No caminho o ovo se quebra e de lá surge um bebê ganso.
Um laço se forma. Não posso falar mais, pra não dar spoilers. Ceci amou. Foi o primeiro livro que a fez se emocionar a ponto de chorar. Tem mistério, aventura, trama que prende e surpreende. Super recomendamos.

 Este mês ganhamos uma eco-bag linda, além de um paper toy. Lembrando que os dois livros vieram com mapas de exploração no nome da criança!

E estamos sorteando um kit surpresa no nosso ig! Corre lá! @kidsindoors 

Ah! Outra coisa do Clube Adoletra: logo, logo algumas livrarias devem passar a oferecer descontos e promoções aos assinantes do clube.

O site também conta com uma pequena loja, onde os usuários podem comprar kits anteriores ou enviá-los de presente à alguém. Além disso, o Clube busca parcerias com escolas, e pais, para disponibilizarem no site os livros das listas de literatura montadas pelos professores para serem utilizados no ano letivo. Assim os pais podem adquirir esses livros de uma só vez, com descontos e facilidade de pagamento, e ainda receber os livros em casa. Uma ótima pedida para evitar a correria do início de ano das listas escolares. 
Para solicitar os livros de uma lista sejam disponibilizados no site, basta enviar o pedido para contato@clubeadoletra.com.br.

Para conhecer mais:
Blog: https://www.clubeadoletra.com.br/blog/
Site: https://www.clubeadoletra.com.br
Instagram: https://www.instagram.com/clubeadoletra/
Facebook: https://www.facebook.com/clubeadoletra/

Adoramos e super recomendamos!

Boa leitura!

 Recebemos um press kit fofo da editora Intrínseca...

 Com o livro O TOURO FERDINANDO, que vai virar animação da Fox Film Brasil! Importante ler o livro antes, pra conhecer a história verdadeira! .

Ele é considerado um clássico da literatura infantil. Tem mais de 80 anos que a história foi publicada pela primeira vez. Uma história contada por Mauro Leaf e Robert Lawson.

FERDINANDO é diferente dos outros touros. Não gosta de violência. Prefere ficar debaixo da sombra de uma árvore, admirando a paisagem e cheirando as flores. Na dele.

 Os outros touros sonham em ser escolhidos para as Touradas de Madri e vivem brigando, bufando e sábado cabeçadas um nos outros.
Confesso que enquanto lia, e me enternecia pela sensibilidade de Ferdinando, temia pelo risco de vê-lo sucumbir aos apelos do que os outros...

 Consideram ser bem sucedido.

 Mas que alívio, Ferdinando conseguiu impor ao mundo a sua essência pacífica e foi feliz. 
Não é por que se é forte e grande, que é precisa ser agressivo. O importante é ser você mesmo, acreditar nas suas verdades, independente de tamanho, raça, religião, profissão, gênero, etc...

O kit ainda veio com uma livro de atividades.

Super recomendamos. Minha sogra adorou o livro e disse que é pra crianças de todas as idades, principalmente as que já cresceram e esqueceram o que é a paz.

Olá, aqui é o Cássio e, como eu falei há um tempo sobre Sapiens - Uma Breve História da Humanidade, vou falar hoje sobre sua "sequência", que é Homo Deus

 NOME: Homo Deus - Uma Breve História do Amanhã
AUTOR: Yuval Noah Harari
EDITORA: Companhia das Letras
ANO: 2015
PÁGINAS: 448
GÊNERO: Não-Ficção / História

O livro começa falando dos três maiores perigos da humanidade até o ano 2000, que são a Guerra, Fome e Peste. Atualmente a guerra está se tornando obsoleta, já que a maioria dos tratados políticos já favorece quem os fez mais do que invasões e lançamento de bombas. Hoje em dia existe mais chance de você cometer suicídio ou morrer em um acidente de trânsito do que ser morto por outra pessoa ou por terroristas do Estado Islâmico. Em 2012, 620.000 pessoas foram mortas, 120.000 em guerras e 500.000 em crimes, 800.000 cometeram suicídio e 1,5  milhões morreram de diabetes, ou seja - segundo o livro - o açúcar é mais perigoso que a pólvora. 

A fome está acabando também, atualmente, 2,1 bilhões de pessoas estão com sobrepeso, contra 850 milhões com subnutrição, em 2010, a fome e subnutrição matou 1 milhão de pessoas, enquanto a obesidade matou 3 milhões. A peste e doenças infecciosas estão matando muito menos gente hoje do que no século 14, quando a peste negra se espalhou pela Eurásia ou quando a varíola matou 80% dos Ameríndios após a chegada dos espanhóis. O Ebola infectou 30 mil pessoas e matou 11 mil, sendo erradicada em janeiro de 2016. O livro também fala do fim da morte, já que estão tendo vários avanços tecnológicos com a biociência e biotecnologia, que estão pesquisando em formas de aumentar a expectativa de vida e melhorar as aptidões de quem conseguir pagar o suficiente, criando uma geração de "imortais" e super-humanos nobres.

Outros assuntos do livro são o humanismo (que é a religião predominante no mundo), as religiões tecnológicas e como o Homo sapiens mudou a Terra nos últimos 500 anos.

O livro é muito bom, não diria melhor que o Sapiens, mas igualmente ótimo, o problema dele é que fala apenas de previsões para o futuro e coisas do presente, que podem não se concretizar. Mas mesmo assim explica muito bem as possibilidades diferentes e como a humanidade mudou nos últimos tempos.
De novo, recomendo bastante a todos que querem saber as possibilidades do seu futuro.
Tchau!
Informação e conhecimento são necessários para se ter auto estima.

ATUALIZAÇÃO------------------------

MARTIN E ROSA: Martin Luther King e Rosa Parks, unidos pela igualdade. Livro de Raphaële Frier e Zau, que recebemos da Pequena Zahar editora.

Rosa desafia a segregação que os negros sofrem no sul dos Estados Unidos em meados dos anos 1950... Cansada, depois de um dia inteiro de trabalho, senta na parte da frente do ônibus, lugar destinado aos brancos. Sob protestos dos homens brancos ela vai presa e quando é solta, Martin Luther King que, prega a não violência, mas tem uma ideia de como protestar pela igualdade. Ao lado de milhares de insurgentes, Rosa e Martin caminham, literalmente mais de 380 dias, denunciam e conseguem modificar a lei que separava negros e brancos nos ônibus.
Uma história que deixa qualquer um indignado e revoltado.
O livro é cheio de fotos e fatos, além de ser ricamente ilustrado.

MANDELA - O AFRICANO DE TODAS AS CORES. Livro de Alain Serres e Zau, que recebemos da Pequena Zahar editora.


O livro mostra a trajetória de Nelson Mandela (Walter Sisulu, Oliver Tambo, Winnie) e os militantes do Congresso Nacional Africano, com estudo, perseverança, coragem e luta fazem grandes mudanças  numa relação cultural injusta. Mandela e seus companheiros chegam aos cargos de poder na África do Sul. Porém a miséria  entre os negros persiste e fica obvio que as mudanças virão pelos portais do conhecimento. Precisamos conhecer, entender, avaliar e trabalhar para realizar nossos sonhos de liberdade, igualdade e fraternidade única forma de vida digna. Não há dignidade para nenhuma das partes quando há oprimidos e opressores. 

Mandela liderou a resistência contra décadas de apartheid na África do Sul. Ficou preso por 27 anos na prisão, reconquistou enfim a liberdade e, em 1994, foi eleito o primeiro presidente negro de seu país. 

A obra conta ainda com a seção "Para compreender melhor", em que o leitor encontrará material de pesquisa que inclui: palavras-chave, fotos, um mapa e uma cronologia da vida dele.

MADIBRA - O MENINO AFRICANO de Rogério Andrade Barbosa e ilustrações de Alarcão, da Cortez Editora.

Confesso que comprei o livro pela capa e em função desta ilustração, que achei linda.
Só ao chegar em casa que vi quer era a história de Nelson Mandela que começou sua vida numa tribo, onde o pai era chefe. Recebeu um nome africano que significava ENCRENQUEIRO. Vendo que o guri era muito inteligente, o mandaram para a escola rural, onde a professora o chamou de Nelson. E pegou gosto pelos estudos, seguiu estudando e defendendo a igualdade entre as pessoas. 
O livro é um resumo da vida dele, e sua trajetória de menino de uma tribo, até se tornar presidente de uma nação inteira. 
Bem bonito.

---------------------------------------

O CABELO DE CORA de Ana Zarco Camara, ilustrações de Taline Schubach, editora Pallas.
 Cora é uma menina inteligente, ótima amiga e com um lindo cabelo castanho, mas algo a entristeceu. A colega disse que seu cabelo era feio por ser cheio e enrolado e que para ficar mais bonita o amarrasse com uma fita. Quantas crianças se sentem feias por ter o cabelo fora do padrão? Quem disse que belo é apenas o liso? 

Cora vai conversar com a tia que explica para a menina sobre as diferenças entre as pessoas e a origem do seu cabelo lindo e forte como o da avó africana. Com poesia a autora ajuda os pequenos a superar  situações similares e valorizar as diferenças. As ilustrações de Taline são lindas (como sempre). Adoramos e sugerimos como livro indispensável para as bibliotecas escolares.

SUPER EU: TUDO O QUE VOCE QUERIA SABER de Lisa Bullard. Hedra editora.

Confesso que amei o texto, mas achei as ilustrações mais ou menos. O guri está na fase de super heróis. O herói que ele mais ama é o SUPER-EU. Então, ele descreve todas as coisas super legais que ele mesmo sabe fazer: correr, ler histórias sozinho, imaginar, ajudar a mamãe, contar piadas, comer sorvetes... E apesar dele ter um irmão gêmeo, ele é único e sabe abraçar a mamãe como ninguém. 
Um livro sobre valorização pessoal e auto estima. Suuuper importante para qualquer criança pequena.  

Este livro é polêmico, tem quente que ama, tem gente que odeia. Colocamos aqui como mais um sobre o assunto e sugerimos uma leitura prévia, pois acreditamos que se alguém aponta preconceito ou racismo numa obra é importante levar isso em consideração ao apresentá-la aos pequenos.
 MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA de Ana Maria Machado e Claudius, editora Ática.

O coelho é apaixonado pela cor da menina e quer a todo custo ficar marrom também. Ele pergunta pra menina como ela consegue ficar daquela cor e ela responde que toma café, come jabuticaba... 
O coelho tenta tudo mas nada dá certo. Daí a mãe da menina explica que ela tem essa cor em função dos pais e dos avós.
Um livro fofo.

12.EVA de Margarida Botelho é o primeiro livro da série POKKA POKANI, da coleção Além-Mar.
O livro aborda as diferenças sociais em diferentes partes do mundo.
Já falamos dele AQUI.


OS MIL CABELOS DE RITINHA de Paloma Monteiro e ilustrações de Daniel Gnattali. Da Semente editorial.

Cheio de rimas. A guria não aguenta mais seeeempre o mesmo penteado. Um dia reclama e daí vem a transformação... Sete dias, sete penteados diferentes. Uma história para que a criança se identifique positivamente, melhorando a auto-imagem de forma sensível e natural. 

No final tem um convite pro leitor: fazer um penteado na Ritinha!

O CABELO DE LELÊ de Valéria Belém, da Companhia Editora Nacional.
A guria não gosta dos cachos, do seu cabelo volumoso. Não entende o porquê dele ser assim. Um dia, num livro conhece a história do povo africano e de suas raízes,

da cultura e do seu lugar no mundo. A partir daí se descobre linda! Passa a amar  muito mais seu cabelo e a si mesma. É lindo.



O MUNDO NO BLACKPOWER DE TAYO. De Kiusam de Oliveira e ilustrações de Taisa Borges. Recebemos da editora Peirópolis.
É mais do que a história de uma princesinha para outras princesas. É um manifesto de afirmação de uma cultura que demorou muito para gritar ao mundo todo seu esplendor (nas formas, mas cores, mas vozes e até nos sabores da arte africana). A menina carrega o mundo no seu blackpower.
Já falamos do livro AQUI.

 OLHE PARA MIM de Ed Frank e ilustrações de Kris Nauwelaerts. Editora Pulo do Gato.

O ilustrador em parceria com o autor montam um mosaico onde os pensamentos e sonhos do protagonista, um guri de pele escura, expulso de sua nação e afastado de seus pais e irmã, pela violência de seres humanos, desumanizados, encontra acolhimento dentre outros seres humanos, humanizados. Ao decorrer do livro compreende que a generosidade e a bondade pairam acima da diferença de cor, que todos os seres querem ser respeitados e aceitos com suas diferenças.

Recebemos no blog A COR DE CORALINE do talentoso ilustrautor (autor de texto e imagem) Alexandre Rampazo. Editado pela Rocco, selo Rocco Pequenos Leitores.

 Coraline é uma menina criativa que se vê diante de um dilema ao ouvir do amigo Pedrinho a seguinte pergunta: - Coraline, me empresta o lápis cor de pele? Observando os 12 lápis da sua caixa, a menina se pergunta qual seria o "cor de pele" que ele procura? A partir da indagação, a menina percebe que em cada lápis existe uma possibilidade. No verde, a pele dos marcianos, no amarelo a dos peixinhos dourados, e há ainda as que vivem apenas na sua imaginação, no lilás a pele das pessoas de um mundo fofinho, no vermelho a de um reino onde todos são muito bravos e assim por diante. Coraline e Pedrinho são desenhados a lápis sobre fundo branco, na página da esquerda, contrastando com o colorido da imaginação da menina, estampado na direita. Neste livro, Rampazo desconstrói o conceito de "cor de pele única" que durante muito tempo foi associado ao rosa nas caixas de lápis de cor. Ótimo para trabalhar com os pequenos, tanto pelas diversas cores de pele, quanto para mostrar o uso das cores de forma mais solta, não necessariamente atrelada ao modelo real.


CASTANHO E BRANCO de Manuela Ribeiro e Milu Loureiro, da editora Textiverso. Recebemos o livro da autora portuguesa!

Não é uma história linear. Não tem início, meio e fim. A autora diz que o livro é um ponto de partida para pais e educadores trabalharem as diferenças, amizade, cooperação e contra o preconceito. 
Duas crianças ficam comparando a cor do outro com coisas do seu dia a dia, numa brincadeira gostosa. São coisa do cotidiano... Mostrando que não tem nada de mais de ter a cor banca como o leite ou castanha (português de Portugal) como o café, pois essas coisas andam juntas e misturadas. 

FLÁVIA E O BOLO DE CHOCOLATE de Míriam Leitão e ilustrações de Bruna Assis Brasil. Editora Rocco Pequenos Leitores.

A moça queria uma filha. Procurou e procurou até encontrar uma que foi amor à primeira vista. Levou Flávia pra casa e mostrava pra todas as amigas a linda filha que tinha. Flávia foi crescendo bonita, feliz e saudável do jeitinho que Rita sempre sonhara. Porém um dia Flávia acordou triste e pensativa. Ela queria ser parecida com a mãe, não queria ser mais marrom. Ela queria ser mais parecida com a Rita e disse que marrom era uma cor feia, que detestava tudo que era desta cor. Então a mãe disse que tudo que era marrom seria proibido em casa: brigadeiro, bolo de chocolate, chocolate mesmo... A guria pensou e pensou e não estava gostando nada daquilo... Será que ela vai conseguir gostar de marrom outra vez? 
Um livro sobre diferenças e aceitação. 

LÁPIS COR DE PELE de Daniela de Brito e ilustrações de Polly Duarte. Recebemos da Editora Cortez.

Ana tinha um pai ruivo, de olhos azuis e com a pele bem clarinha. Sua mãe tinha a pele escura e olhos escuros. Ana tinha a pele e cabelo da cor do pai, mas o cabelo era crespo como da mãe além da cor dos olhos dela também. Já o irmão tinha a pele e a cor do cabelo da mãe e a cor dos olhos do pai e o feitio de cabelo dele também. 
Uma mistura!
No primeiro dia de aula, Ana descobre que os colegas tem UM lápis cor de pele. Mas existe só um cor de pele? 
Então, em casa, ela pergunta pros pais sobre a cor da pele deles e eles falam sobre família, sobre diferenças e semelhanças e descobrem que há muitas cores de peles. No outro dia, na escola, os irmãos dividem as descobertas com a professora e os colegas. 

UMA PRINCESA NADA BOBA de Luiz Antonio e ilustrações de Bel Carpenter,
da Cosac Naify.

Uma guria decide que quer virar uma princesa, como da Disney, pois todas as meninas da sala dela são loiras e brancas, então ela nega que é negra.
Ela muda o nome para Jenipher , pois quer ser iguais as amigas e não há princesas negras.
Ela chora por não ser igual as outras. Sua avó chega e ao perceber o problema, fala que existem princesas negras e fala das princesas guerreiras da cultura africana e de alguns orixás mulheres. 
No final, a menina sente orgulho de ser quem é.

PEDRO NOITE de Caio Riter e ilustrações de Mateus Rios. Editora: Biruta.
Já falamos dele AQUI.

PAPÍ, O CONSTRUTOR DE PIPA de Lia Zatz, com ilustrações de Alexandre Teles, publicado pela Editora Biruta. 


Lia apresenta a história de um menino chamado Papí, vivendo a emoção maravilhosa do seu primeiro dia de aula. Ele ia entrar para a escola e aprender a ler, estava super ansioso. Era tudo o que queria. Mas na escola não encontra muito incentivo, inclusive chegam a mencionar que é fraco pros estudos, por causa da sua cor de pele. O livro é um microcosmo do Brasil racista. Onde se presencia atos de racismo, mas a maioria prefere só olhar feio, ao invés de fazer alguma coisa pra denunciar ou mudar a situação. Mostra também aquele tipo de professor que só despeja a matéria e cobra resultados, sem ver se os alunos de fato estão aprendendo e nem se preocupa com isso.
Ao mesmo tempo mostra também, pessoas que enxergam que o outro precisa só de uma atenção a mais para desenvolver-se. Ele encontra uma bibliotecária que, com muito afeto, vai incentivá-lo.
A maior diversão de Papí é brincar com pipas. Isso significa que ele terá muitos desafios, e o maior de todos eles vai ser conseguir ler as instruções para armar “certinho” as pipas maiores e coloridas como as das águias. Será que ele vai conseguir?

 TENKA, PRETA, PRETINHA texto de Lia Zatz e ilustrações Alexandre Teles, pela Editora Biruta.

A personagem principal é Tenka, alegre, companheira, sempre rodeada por seus amigos. História revela a importância do verdadeiro laço de amor, a relação sincera da amizade entre mãe e filha. Muitas vezes ela era escolhida para comandar a roda das brincadeiras, até mesmo a brincadeira “beijo-abraço-aperto de mão” porque só ela conhecia realmente todos os segredos de amor entre seus amigos. Porém, eis que de repente, aconteceu uma coisa: Tenka começou a ficar muito, muito tristonha. A mãe entra em ação. Confidências e descobertas trazem um final feliz encantador.

Obs. O livro fala da vontade que algumas crianças têm de namorar, mesmo na infância. Nós do blog achamos que namoro não é coisa de criança. 

PLANTANDO AS ÁRVORES DO QUÊNIA de Claire A. Nivola, SM editora.
O livro narra a história da primeira mulher africana a receber o Nobel da Paz. A ambientalista queniana Wangari Maathai, fundadora do movimento Cinturão Verde, ganhou o prêmio em 2004 por sua contribuição ao desenvolvimento sustentável, à democracia e à paz. Ela começou com poucas mudas e conseguiu mobilizar toda a população a plantar mais de 30 milhões de árvores no Quênia. A autora e ilustradora estadunidense Claire A. 

Nivola conta os principais momentos dessa história: a forte ligação de Wangari com a natureza, o choque ao retornar a seu país depois de passar cinco anos estudando nos Estados Unidos e o desejo e a luta para mudar a vida precária de sua comunidade.

FÁBULA URBANA de José Rezende Jr. e ilustrações de Rogério Coelho. Editora Edições de Janeiro.

Um coisa bem comum nas grandes cidades são crianças e jovens pedindo dinheiro. Um homem está num shopping e um guri pede pra ele uma coisa diferente que o deixa perplexo.

Na verdade o protagonista não é negro, negro é o menino de rua que ele encontra. Ficamos chocados com os pensamentos que este homem tem ao vê-lo. Chocados por que as pessoas ainda pensam assim, carregadas de preconceitos.
Lembra do quadro do Fantástico do menino de rua pedindo um livro? Esta é a história do livro que deu origem a matéria. Forte e real. 

NELSON MANDELA O PRISIONEIRO MAIS FAMOSO DO MUNDO de Swing Eu Gang, ilustrações de Gyeong Su Gang, editora Pallas.


O livro conta um pouco da história de Nelson Mandela, sua luta desde a universidade, a perseguição sofrida por defender os negros no seu escritório de advocacia, a prisão, o julgamento e o tempo na cadeia. A sua força, que se manteve intacta e inspiradora durante os 27 anos de encarceramento e a posterior libertação.

 Livro dinâmico e com texto compacto, perfeito para introduzir o assunto com os adolescentes. Ilustrações em técnica mista, bem atrativas.

Ganhamos o livro da Anna do @Sobreissoeqauilo.
JOSEPHINE NA ERA DO JAZZ DE Jonah Winter e ilustrações de Marjorie Priceman. Editora Martins Fontes.

Ela é uma dançarina desde que se conhece por gente (mesmo que os outros ainda não saibam).  O ano é 1920 e o mundo se agita com os sons dessa nova música chamada "jazz". Todo mundo Quer dançar, mas nem todo mundo pode! Josephine é negra e alguns acham que ela não pode dançar em função disso. Mas Josephine Baker é forte e não desiste!  Ela dança, ela inventa, ela é uma estrela. Leva sua dança a Nova York e a Paris.

 QUANDO A ESCRAVA ESPERANÇA GARCIA ESCREVEU UMA CARTA de Sonia Rosa, ilustrações de Luciana Justiniani Hees, editora Pallas.
Esperança era escrava numa fazenda de padres Jesuítas no Piauí. Quando estes foram expulsos do Brasil ela foi separada de seu marido e filhos maiores e levada a servir como cozinheira do capitão Antônio Vieira de Couto. Esperança teve a sorte de ser alfabetizada numa época em que a maioria das mulheres, mesmo as livres, eram analfabetas. Junto com as outras escravas passou a sofrer violência física, além de não poder exercer sua fé católica. Esperança, de forma corajosa, escreveu uma carta ao governador relatando os mais tratos e pedindo sua interferência.

A história baseia-se na cópia da carta, encontrada pelo historiador Luiz Mott. Datada de 1770, é considerada a primeira petição a um governador relatando mais tratos a escravos. A original encontra-se em Portugal. História triste e necessária para ampliar a empatia pelo sofrimento dos escravos, principalmente das mulheres. Ilustrações fortes e bonitas.
indo da pobreza ao estrelato.

 AMANHECER ESMERALDA de Ferréz e ilustrações de Igor Machado. Editora Objetiva.
Não tenho mais o livro, li o livro lá por 2009. Já tem outra edição, com outro ilustrador. Mas acho essas ilustrações mais bonitas.
Um faz de conta moderno. Manhã acorda para mais um dia sem graça de guria negra e pobre que vive na periferia de uma grande cidade. Ela anda sempre encolhida, triste e mal arrumada, ganha do professor um vestido verde esmeralda e sua vida muda pra sempre. E mais a vida da comunidade dela também.

Ao usar o vestido a guria sente-se bonita pela primeira vez. Então, começa a se arrumar mais: faz tranças no cabelo e descobre sua beleza de princesa negra. E quando os pais a veem, se dão conta de como ela está colorida e linda e não combina mais com aquela casa feia e desarrumada. Começam a arrumar, pintar a casa por dentro e depois por fora. A casa ganha vida, os vizinhos vendo aquela cor e limpeza, resolvem fazer o mesmo... E assim a beleza e felicidade contagiam a rua inteira. Mostra como uma pequena atitude pode ser uma mola propulsora pra melhorar a vida de uma comunidade inteira. Basta apenas um gesto, uma pessoa se importar de verdade, que muitas outras vão querer mudar e participar também.

QUANDO ME DESCOBRI NEGRA de Bianca Santana, ilustrações de Mateu Velasco. Editora SESI-SP.

A autora divide o livro em 3 partes: uma que viveu, outra que escutou por aí e outra que é a junção dos dois e mais um pouco de história.
O livor é curtinho, pode ser lido numa pegada só. Apesar de pequeno no tamanho, é grande em nos fazer refletir. Nos deixa pensando por dias. Quantos daqueles relatos eu já vi acontecerem com amigas minhas? Quantas daquelas histórias eu já presenciei na rua ou já peguei as frases na boca de parentes e amigos? E o que eu fiz ou deveria ter feito, foi o suficiente?
E como estamos educando nossos filhos para que estas histórias não se repitam?
Eu seriamente acredito que crianças não são racistas, mas os adultos são e colocam esses valores errados nas cabeças das kids. Me lembro criança passar por uma sala onde tinha adultos vendo um filme, e claro que parei na porta pra espiar. Lembro que na trama uma mulher chorava por que não estavam deixando-a em paz pra casar com um homem. E eu totalmente envolvida na história soltei: Porque estão maltratando a mulher? Por que ela não pode casar com ele? Claro que todo mundo levou um susto, não deveria ter crianças ali. E me explicaram que ela era branca e ele negro e que não podiam se casar. Eu não entendia o motivo e me falaram um monte de coisas que não lembro, só lembro que disseram que podia nascer um filho branco e outro preto. Como se isso fosse ruim. E eu continuei não entendendo por que ela não podia casar com ele... Até hoje. Mas lembro dos adultos com mil desculpas e caras para me fazer entender a lógica deles.  Racismo parte de cima pra baixo. Temos que ter muito cuidado nas palavras e atitudes.

Para ver os outros posts, clique AQUI  e AQUI.

Terceiro post da série Consciência Negra.
Lembrando que foi escrito a 4 mãos, nós do Kids Indoors  + @casadeleitores e a @boaleiturabomapetite.
Chegaram muitos livros, estamos lendo todos com o cuidado merecido, então em alguns livros, para não deixá-los de fora, colocamos apenas a resenha que a editora oferece, conforme formos finalizando, substituiremos os textos.

Lembrando que é um post que vai crescendo conforme formos lendo mais livros. E lembrando que não vamos colocar aqui qualquer livro. Vamos ler, avaliar, ler com as kids para depois falar dele.
Texto e ilustrações devem ser bonitos e enriquecedores. Qualquer livro sobre o assunto não serve. =)