Dicas para ententer crianças presas em casa
Cada dia vemos mais crianças questionando a máxima "azul para os meninos, rosa para as meninas". É que até os pequenos estão se dando conta de que o mundo é feito de uma infinidade de cores. Aproveitemos então para aprofundar a pergunta, qual o brinquedo que pode ser de um e de outro? Qual a roupa que cada gênero deve usar? Meninas podem brincar de Lego? E meninos podem gostar de rosa? Qual o papel de cada um na sociedade?
Antes de responder a essas e outras perguntas, precisamos ter em mente a coisa mais importante que podemos ensinar aos nossos filhos, netos ou alunos; o respeito. Respeito ao outro, suas condições, gostos e costumes.
Então, se quisermos combater o Bullying precisamos dar o exemplo, demonstrando respeito pelos nossos pequenos e por aqueles que nos cercam. Respeitar os que pensam diferente, se vestem diferente, tem famílias diferentes. Isso inclui meninas que brincam de carrinho, meninos que usam cabelo longo, porque afinal de contas ser criança é ter liberdade para experimentar, fantasiar e as quebrar regras.
Trazemos algumas sugestões de livros para apoiar pais, professores e cuidadores nessa jornada.


Monstro Rosa



De Olga de Dios, editora Boitempo, selo Boitatá
Monstro Rosa é desajustado, como uma grande bola rosada e peluda num lugar onde tudo e todos são descoloridos. Mesmo antes de nascer já era diferente, o ovo de onde ele veio não era igual aos demais.

O livro vai narrando as tentativas de se ajustar às brincadeiras dos seus irmãos, mas era pesado demais para subir nas árvores, falava bobagens demais enquanto os outros ficavam sérios, era até grande demais para entrar na sua própria casa.
Então ele decide sair em busca de outro lugar. Transpôs montanhas, cruzou o mar e
chegou a um lugar onde às vezes fazia sol, outras chovia e às vezes aparecia o arco-íris. E lá, além de muita gente nova e diferente ele conheceu também a felicidade.



Um livro com muitas leituras e elementos que ajudam a lidar com o respeito à diversidade. Pode ser utilizado para sensibilizar sobre bullying, gordofobia, racismo e até sobre a inclusão de crianças que apresentem diferenças no aprendizado, TEA (Transtorno do Espectro Autista) por exemplo.
O mundo colorido e acolhedor que Monstro Rosa encontra pode estar dentro da sala de aula, construído por todos guiado pelo professor e outros responsáveis.

Pode pegar



De Janaína Tokitaka, editora Boitempo, selo Boitatá.
Pode Pegar de Janaína Tokitaka. Dois coelhinhos, um com roupas de menina e outro de menino trocam algumas peças do vestuário conforme a necessidade ou a brincadeira. Primeiro a coelha empresta seu sapato de salto para que o coelho alcance uma maçã na árvore.
                             
Depois ele usa a saia dela como capa para se transformar em super herói enquanto a coelhinha calça as botas dele para poder brincar na água sem molhar os pés.



O livro ajuda a levantar questões de gênero com os pequenos, mostrando que podemos subverter o uso dos objetos que seriam apenas para meninos ou meninas. Ótimo ponto de partida para ampliar a reflexão sobre profissões, tarefas e papéis na sociedade.
Com ilustrações expressivas, Janaína explora linhas de lápis, massas de tinta e transparência aguadas.

Ceci e o vestido de Max


De Thierry Lenain, ilustrações de Delphine Durand, Editora Companhia das Letras, selo Companhia das Letrinhas.
Os livros da Ceci são os mais inovadores na introdução das questões de gênero para os pequenos. Ceci não gosta de coisas de menina. Vestidos, fru-frus e laços não são a cara dela. 
Ceci gosta mesmo é de futebol. 

Quando o seu namorado (aqui fazemos uma ressalva, não somos a favor de crianças sendo incentivadas a namorar, então quando lemos para nossos filhos, trocamos "namorado" por "amigo" é a escolha da nossa família) insiste em que ela ficaria linda num vestido rosa repolhudo, ela responde que só usará se Max experimentar primeiro.



Frida Kahlo



De Nadia Fink e Pitu Saá Coleção Antiprincesas, editora Sur.
Frida Kahlo é a primeira personalidade mostrada na coleção, por ser uma mulher que não fez o que se esperava dela e com isso ter deixado sua marca na arte e na história. A autora Nadia se propõe a desvendar os motivos que geram tanta paixão em torno da artista, contando sua história numa linguagem simples e direta. O livro nos oferece detalhes do contexto político, cultural e até afetivo da vida de Frida. 

Além da história, a autora espalha caixas explicativas para ampliar as informações ou ajudar na contextualização do que está sendo contado. 


As Mulheres e Os Homens



De Equipo Plantel, ilustrações Luci Gutiérrez, Coleção Livros Para o Amanhã, vol. 4. Editora Boitempo, selo Boitatá.
As Mulheres e Os Homens foi originalmente publicado na década de setenta na Espanha e redescoberto junto com os demais volumes da coleção pela editora Media Vaca que os reeditou mantendo o texto e colocando novas ilustrações.
O livro, com faixa indicativa a partir de 8 anos de idade, é a ferramenta perfeita para questionar meninos e meninas sobre o papel da mulher na sociedade atual. Abordando o assunto com ironia e de forma direta começa por mostrar semelhanças e diferenças entre os gêneros.



Depois de alguns exemplos, conclui que a única diferença mesmo é o sexo.
E que a forma como cada um se veste, brinca ou se comporta é fruto de uma construção social.



Essa construção acaba se tornando a regra e reduz o espaço das mulheres.
No final do livro a assistente social e feminista Mirla Cisne coloca sua contribuição para ampliar o debate.



Diferentes, Não desiguais



A Questão de Gênero na Escola
De Beatriz Accioly Lins, Bernardo Fonseca Machado e Michele Escoura. Editora Cia das Letras, Reviravolta.
Os autores, graduados em Ciências Sociais e pesquisadores da Unicamp e USP desenvolveram um livro direcionado a educadores mas que pode ajudar também o público em geral a se informar melhor e colaborar com a construção de uma infância livre de estereótipos. O livro começa explanando as reações de uma turma de crianças em processo de alfabetização quando questionada sobre o que considera "coisas de menina e coisas de menino". As respostas óbvias preocupam qualquer educador mais atento às diferenças. O que será do menino que não gosta de futebol ou da menina que não pretende usar batom. Ao longo do livro os autores nos apresentam uma introdução à história da luta pelos diretos das mulheres, as leis vigentes e a violência de gênero. Há ainda um cuidado especial com o racismo no Brasil.
O capítulo 5 é destinado a sexualidade e suas diferentes apresentações.
No apêndice, os autores oferecem sugestões de como educadores e equipe devem agir em diferentes situações de risco ou misoginia.


Por fim sugestões de literatura e material audiovisual para várias faixas etárias.

O filho querido



De Lilli L´Arronge, tradução de Anna Luiza Cardoso, ed. Record selo Galerinha.
Ao ver os ninhos sendo formados na primavera, um esquilo e um passarinho perceberam o quanto seria maravilhoso formar uma família. Para isso construíram um ninho e esperaram o ovo aparecer. Esperaram, esperaram e nada. 


Até que numa manhã, lá estava o ovo, enorme, tão grande que quase não cabia no ninho! Eles o chocaram, cuidaram e alimentaram quando nasceu.


Uma história simples e ao mesmo tempo linda que pode ser interpretada valorizando as diferenças entre as famílias. Famílias formadas a partir de adoções, famílias onde os avós cuidam dos netos, novos casamentos e pais do mesmo sexo. O livro ajuda a lembrar que o que forma a família não são as semelhanças entre os membros e sim a disponibilidade de amar e cuidar dos outros.
Hoje participamos da cabine de imprensa do filme ROCK DOG – NO FARO DO SUCESSO que terá estreia nacional no dia 4 de maio de 2017. Direção e Roteiro de Ash Brannon, o co-diretor de Toy Story 2
 
O filme tem uma trilha sonora divertidíssima. Sylvio desde pequeninho sempre reagiu aos estímulos sonoros. Com incentivo das aulas de musicalidade infantil ele demonstrou ainda mais interesse e aproximação ao uso dos instrumentos musicais. Neste filme o encanto dele pelos instrumentos de cordas, intensificou ainda mais. Sylvio passou o restante do dia todo tocando sua guitarra imaginária. Então, se seu filho também gosta de boas trilhas sonoras, pode ter certeza, ele vai desejar assistir este filme mais de uma vez.
 
 
No filme, o personagem principal chama-se Bodi, é um Mastim tibetano de olhos arregalados. Apaixonado por musica, mas sempre foi impedido curtir sua musica.

 
Seu pai Khampa, é o grande guardião e protetor de um grupo de encantadoras ovelhas, e o que este pai mais espera, é que seu filho siga sua orientação, e assuma o papel de guarda desta aldeia. 
 

Tudo muda quando um rádio literalmente cai do céu e Bodi ouve uma música da lenda do rock Angus Scattergood, e abre seu coração para um mundo musical que ele decide explorar.


Em um momento emocionante, pai e filho decidem dar uma chance ao SONHO. Mas, ao deixar o lar na aldeia para perseguir seu destino na cidade grande, Bodi atrai a atenção de Linnux, líder de um grupo de lobos famintos, que acredita que Bodi será seu bilhete de volta para conseguir entrar na aldeia e capturar as ovelhas. Neste momento, cenas de suspense e ação com trilha sonora perfeita, acontecem e deixam as crianças vidradas.


Então, cabe a Bodi salvar sua família e amigos sem renunciar ao seu sonho recém-descoberto. Bodi conquista as crianças por seu jeito sonhador, alegre e muitas vezes ingênuo. Em busca da realização do seu maior sonho, ele prova que família e amizade são os bens preciosos para todo sucesso. ROCK DOG – NO FARO DO SUCESSO eu indico.  


 
CAIXA DE BRINQUEDOS de João Anzanello Carrascoza e ilustrações de Larissa Ribeiro, da Edições SM, reúne 10 contos curtinhos sobre infância, sentimentos e situações que meninos (e meninas) passam, como: solidão, medo do escuro, contar uma mentira e se sentir mal depois, mudar de cidade e ter que fazer novos amigos, entre outros.

O primeiro conto pra mim é o mais bonito. É a história de um guri que tem medo do escuro e não consegue pegar no sono. Então pega o caderno e uma caixa de giz de cera e desenha um sol. Já se sente melhor. E vai desenhando as coisas, como se fosse um Deus criando o universo. Até no sétimo dia sorrir e poder dormir pois não havia mais escuridão, nem estava sozinho. Fofo e bonito.

Outro conto é sobre um guri que se muda e não se sente mais em casa, tudo é estranho, quando a mãe vai conhecer a vizinha, ele, pouco a pouco, consegue sair de baixo da sua saia e conhecer essa nova casa.  

Um dos contos é sobre mentir. Como o garoto não quis dizer ao amigo o motivo de não ter ido na festa dele, no dia anterior. Então ele inventou uma mentira, e a partir daí, não conseguia mais para de mentir. E como isso o fazia sentir ruim. 

 Enfim um olhar sensível e poético sobre a infância. Leitura gostosa para as kids e um pouco nostálgica para os pais. A leitura aquece o coração. Amamos as ilustrações que são coloridas e poéticas também.
Fica a dica. 

FUROS de Cecilie Bergame e é outro livro que chegou Edições SM e ficamos muito encantadas! Parece que estamos dentro de um sonho.

 O pequeno homem mora numa cidade cinza. Tudo que ele tem está cheio de furos.

O seu único prazer é conversar com seu amigo de estimação, um peixinho.

Um dia conversando, os dois descobrem que nunca viram o mar

e partem numa aventura. Muito lindo e poético.

Parece que estamos lendo e dentro de o sonho de alguém. Nostálgico e melancólico.
Uma história sobre solidão e encontro. Bem bonita.

ATIVIDADE:
Pra trabalhar com kids:

Recortar vários objetos e pessoas de revistas. Separar paisagens de revistas também. Fazer uma colagem. Depois de todas prontas, trocar com o colega do lado. Agora escrever uma história ou redação sobre a cena que o amigo fez. Em seguida devolva as duas coisas (texto e imagem) e veja se foi o que seu amigo imaginou. Fazer um texto sobre o próprio trabalho. 
Se forem crianças pequenas, podem inventar histórias em conjunto e em voz alta. 

Adoramos.
Recebemos a coleção super fofa da Salamandra. São 4 livros, dois reeditados. 

Coisinhas à toa que deixam a gente feliz: receber uma coleção inteira de livros com frases que fazem a gente sorrir por dentro e por fora! O que faz você Feliz? Acordar com cheiro de café ou de pão novinho? Abraço dos filhos depois de um dia cansativo? Almoço de domingo com a família? Brigadeiro na panela? Meias quentinhas? Quantas coisas boas você consegue pensar? Livros com frases rimadas e curtas pra lembrarmos o quão simples e especial é a nossa vida. Fica a dica!

Os dois livros do Otávio Roth foram impressos pela primeira vez em 1994 por outra editora e com outro ilustrador.
Agora reeditados pela Salamandra e com as ilustrações da Mariana Massarani, os livros ficaram ainda mais divertidos e lindos.

Cada um vem com duas surpresas: na primeira guarda vem um jogo e na segunda uma atividade pra criança pensar e completar.
Este é um jogo da memória.

O livro é recheado de coisas que aquecem o coração.

Coisas que deixam qualquer um, adulto ou criança, feliz.
Coisas simples.

A coleção toda é fofa.

E as kids quem a leem, ficam fazendo sim com a cabeça. É muito legal de observar.

Como são poucas palavras por páginas, é ótimo pras kids que estão começando a ler sozinhas.

Olha a edição anterior. (Fonte: http://amigasdaedu.blogspot.com.br/2014/03/hoje-e-dia-de-poesia-texto-livro-e.html)

E pra completar a coleção, a Ruth Rocha escreveu mais dois livros.
Com muito mais coisas boas pra gente ler.


Acabar um bom livro é uma das minhas favoritas.

Depois do abraçar alguém!

Pergunto: O que te deixa feliz?

Um convite para parar e pensarmos no nosso dia a dia, nas coisas que vivemos e vemos, além do trânsito louco, das filas intermináveis, do nosso trabalho quase que mecânico.

Quais experiências realmente são especiais, embora simples?
Fica a dica.

Como já falei... Neste vem um quebra-cabeça.

No verso, basta recortar seguindo as linhas no verso.

O dia foi ruim? As kids reclamaram da escola, dos colegas? Vamos parar e recaptular: o que teve de bom? Quais os pingos de coisinhas felizes que aconteceram durante o dia?