Dicas para ententer crianças presas em casa

De Fábio Monteiro, ilustrações de André Neves, Coleção Espaço Aberto, editora Paulinas. 
Vencedor do Jabuti 2016 categoria Juvenil.

Em Cartas a Povos Distantes, o autor nos apresenta Giramundo, um menino criativo empenhado em construir línguas e histórias de povos que jura ter visitado. Conhecedor de mapas e livros de cartografia, Giramundo explicava de forma eloquente e embasada as origens das línguas que inventava descaradamente.
Como a criança da fábula que grita ¨É o lobo! É o lobo¨ nem ele mesmo acredita quando recebe uma carta de Luanda. Um papel misterioso, sem texto e assinado por ¨Um novo amigo¨. De tanto inventar histórias será que elas ganharam vida?


A partir das cartas entre Giramundo e o garoto de Luanda inicia-se uma nova fase na vida do pequeno inventor de povos que o aproxima de uma realidade muito diferente da sua.
Além do remetente um outro personagem ganha destaque no livro, seu Joaquim da papelaria que se interessa pelas cartas de Giramundo. O novo amigo nos apresenta a realidade de um país em guerra e cheio de privações mas também com belezas e amizades.


Depois que comecei a ler não consegui parar. Para sensibilizar os pequenos (e grandes) sobre outras realidades. Pessoas como nós que sofrem e nem ficamos sabendo.
As ilustrações do André Neves são simples e fortes ao mesmo tempo. Colagem e pintura em tons terrosos ajudam a criar a atmosfera de aridez necessária.
Um dos nossos escolhidos no Top livros de 2016.
Você pode adquirir o livro aqui.


Um livro que para crianças (sim crianças), tweens e teens e para todos aqueles que gostam de contos de fadas.

CHAPEUZINHO ESFARRAPADO E OUTROS CONTOS FEMINISTAS DO FOLCLORES MUNDIAL. Editora Seguinte. De Ethel Johnston Phelps (Org.)  com tradução de Julia Romeu e   ilustrações de Bárbara Malagoli.

Sinopse: "Crescemos lendo contos de fadas em que as mulheres são figuras frágeis, sempre dependentes de proteção e ajuda. Este livro reúne vinte e cinco histórias folclóricas de várias partes do mundo que mostram que não é nada disso: as mulheres podem - e devem! - ser as heroínas, donas dos próprios destinos."

 O que eu mais estou gostando:
1. são histórias onde as figuras femininas são exaltadas não pela beleza estonteante, mas pelos seus feitos.

2. A protagonista NÃO fica parada esperando o príncipe salvá-la para ser feliz ( como acontece em muitos desenhos da Disney) .

2. violência ou crueldade que não serviam para um propósito essencial na história foram moderados ou excluídos (já tem violência gratuita demais nessa vida!).

3. Nem todas as mulheres idosas são bruxas más e nem todas as mulheres jovens são inocentes e bobas. Entre outras coisas.

As mulheres decidem e vão a luta.

Um excelente livro de contos de fadas para as nossas meninas (e meninos claro!).

Tem ilustrações e as histórias não são muito longas ( algumas com 3-4 páginas outras com 9 páginas).

Podem ser lidas antes de dormir, no caminho da escola, no metro. Super indico.

Acho que exaltar mulheres que fazem a diferença e não só ficam paradas, sem amigos, esperando que uma solução mágica apareça e resolva todos seus problemas, é super importante nos dias de hoje. A nossa vida, destino e felicidade dependem das nossas ações e vontades e garra e ações. Nada de deixar que outros decidam por nós. As nossas gurias são tão ou até mais capazes de fazer o extraordinário! Precisamos implantar a confiança dentro delas. Para que ninguém possa chegar e dizer o contrário! Adoramos o livro! Uma semente de confiança, de força. 
Chegaram os 5 primeiros volumes da Coleção Folha HISTÓRIAS DE REIS, PRÍNCIPES E PRINCESAS. 

No total serão 25 livros lindos, com histórias da Polegarzinha, Rapunzel, A Serpente Branca, O príncipe Encantado, O Rouxinol e o Imperador, O Pássaro de Ouro, entre outras. 

O que achei mais legal da coleção, além do design gráfico lindo, texto curto, em letras grandes, ilustrações maravilhosas de vários artistas nacionais, 

atividades no final do livro pra criança se divertir, foi que escolheram várias histórias que não são tão conhecidas do GRANDE público, como: As Três Penas, Os Seis Criados, As Doze Janelas e O Rei e a Tartaruga. 3 volumes já estão nas bancas, e a cada domingo chegam os outros. 

Os títulos que recebemos:

 1. BRANCA DE NEVE. Baseado na versão dos Irmãos Grimm, adaptado por Laiz de Carvalho, com ilustrações lindas de Adilson Farias.
Esta é a história da guria que recebeu o nome de Branca de Neve.A mãe dela morreu pouco depois do nascimento e o pai casou-se com uma nova mulher, linda e vaidosa. Quando a Branca de Neve cresceu e foi considerada a moça mais bonita do reino. A madrasta com ciúmes manda abandonar Branca na floresta, que acaba chegando na casa dos 7 anões. A Rainha não contente, resolve se disfarçar e levar uma maçã enfeitiçada para a enteada. Na primeira mordida ela já desmaia. E sabe como a Branca de Neve se salva? Com um tropeço de um anão! Ah! Não vou contar mais nada! Vais precisar ler para saber mais! Hehehe!

2. A ROUPA NOVA DO REI. Baseado no conto de Hans Christian Andersen, com adaptação de Silvia Oberg e ilustrações liiindas de Weberson Santiago. 

A história é que todos conhecemos o Rei contrata dois falsários que dizem que fazem roupas que só os mais inteligentes conseguem ver. Claro que o rei "vê" o tecido e a roupa. Só ao desfilar é que uma criança grita que o Rei está nu, e daí todo mundo concorda! Hehehe. No final a criança pode desenhar uma roupa no Rei, a Ceci amou isso. 

3.  ALADIM E A LÂMPADA MARAVILHOSA. Baseado na versão de Antoine Gallard, com adaptação de Laiz de Carvelho e ilustrações de Cris Eich. 

Nessa história descobrimos que o Aladim é suuuper parecido com nosso amigo Caio, da @casadeleitores. Então toda vez que tinha o nome ALADIM, a gente lia CAIO! hehehe.

Bem... De repente surge na cidade um estranho, que ao saber que Aladim é orfão de pai, lhe dá um dinheiro para dar para sua mãe, dizendo que quem mandou foi um tio. Pouco tempo depois reaparece e leva o guri para uma caverna e pede para que esse traga a Lâmpada Maravilhosa. Aladim pega a lâmpada e forra os bolsos com pedras preciosas também. Pega tantas coisas que não consegue alcançar a lâmpada para o falso tio, que fica irado e fecha o guri na caverna. Ao esfregar as mãos, Aladim faz um gênio aparecer que o ajuda a sair dali. 


4. CINDERELA. Baseado na versão de Charles Perrault, com adaptação de Susana Ventura e ilustrações lindas de Tel Coelho. 
A família era feliz até que a mãe falece e o pai casa de novo. A madrasta não gosta nada da enteada e obriga-a a fazer as tarefas da casa e transforma-a numa empregada. Um dia os mensageiros do Rei anunciam que ele dará um baile, para que seu filho, o príncipe, ache uma esposa. Feliz da vida se prepara, mas a madrasta impede a participação da Cinderela... Mas tudo muda com a ajuda de uma fada madrinha e muita mágica. 

5. O GATO DE BOTAS. Baseado na versão de Charles Perrault, com adaptação de Laiz de Carvalho e ilustrações fofas de Cris Eich.

Sou muito apaixonada pelas aquarelas da Cris. Amo o degradê de cores que só ela faz! O gato de botas está muito fofo! Dá mesmo de levá-lo pra casa! 
Era uma vez um moleiro pobre que morreu. Como herança deixou pros 3 filhos um moinho, um burro e um gato. O mais novo ficou com o gato e achou que ia morrer de fome, porém o gato pediu um saco e um par de botas. E falou que em troca disso, transformaria o filho sem nada do moleiro em Marques. Tanto falou, e tanto fez, que realmente conseguiu cumprir a promessa. 

Fica a dica. A coleção é um capricho. Linda, linda. Cecília já está louca pelos outros volumes.
Nesse final de semana tem Cinderela nas bancas! Não perca!


Cecília está com 10 anos, mas ainda fica super feliz quando autores mandam livros com o nome dela! 

Este é um daqueles livros que a criança, além de ser a protagonista da história, ainda decide o que vai acontecer! São 11 finais possíveis! 

É ler e reler pra ver o que pode acontecer.

Um livro presente. O livro conta a história de uma menina que perdeu o seu coelhinho de estimação.

O livro tem diversas aventuras que envolvem circo, cozinha, sereias e até uma escola de coelhos.

São 11 finais possíveis e 41 paginas. As ilustrações em recorte e colagem são muito fofinhas.

A Cecília vestida de coelho é a nossa favorita! As histórias são curtas e recomendado para crianças até 8 anos. 

Quando terminar a primeira história, a criança provavelmente ficará curiosa para saber o que teria acontecido se tivesse tomado uma decisão diferente.

 Para comprar o livro com o nome do seu filho (tem história pra eles também, claro) ou filha, escrever para o email do Bormann & Felix: bormannfelix1@gmail.com 
ou no link:
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-834429606-livro-personalizado-com-o-nome-da-crianca-21x15-1-unid-_JM
Fica a dica.

 Cecília falando: - QUE FOFOOOO!
 Um presente personalizado, divertido e inesquecível!

Fica a dica!
De Eve Ferretti, com ilustrações de Fabíola Werlang, editora Aletria.

Este livro nos conquistou desde a capa, ilustração, fonte e detalhes metalizados.
Vamos enumerar as qualidades, que são muitas!
Começamos pelo texto. Eve nos conta, em primeira pessoa, as lembranças de uma infância com personagens bastante peculiares. O livro é cheio de gente esquisita, com hábitos ora assustadores, ora nojentos. Como a avó que quando levava o neto para passear, ficava matando e juntando as moscas que pousassem neles, depois as guardava num vidro e levava para casa.
Ou a amiga da mãe que levava onde fosse um macaco dizendo ser seu filho.
Tem também a tia, que não o deixava fazer nada por medo de que alguma catástrofe acontecesse com o narrador. O medo era tanto que nem banho mais tomava, (ela ficara assim depois de perder o noivo em um acidente).


O livro é um álbum de recordações, os personagens vão sendo lembrados, com suas peculiaridades e esquisitices cada um evoca uma história que instiga e deixa lacunas para que as crianças completem.
Tudo tem um ar engraçado, quase fantástico.


As ilustrações são delicadas mas com personagens assustadores. Feitas em pintura sobre tela, a ilustradora utiliza-se dos tons terrosos para evocar o sombrio.
Particularmente gostei muito, pois o estilo de desenho se assemelha a alguns que fiz, tanto que quando chegou na redação de Brasília, Gisele percebeu a semelhança e me enviou para resenhá-lo.

Livro que diverte e pode ser usado como ponto de partida para exercícios de memória. Uma forma bacana seria fazer fichas com as características de alguns parentes ou vizinhos da criança (trabalhar semelhanças e diferenças, construção de personagens, características surpreendentes ou imaginárias).

Recebemos um Presskit muito legal da nossa parceira Faber Castell com uma seleção de produtos de diversas linhas para a volta às aulas. Alguns dedicados aos pequenos e outros para todas as idades.

LINHA JUMBO
EcoLápis de Cor e Grafite



Esta linha é especialmente produzida para os menores, Lucas adorou a novidade. Ainda não tinha experimentado lápis triangulares, como se encaixam melhor nas mãozinhas, passou a desenhar muito mais do que com os que usávamos antes.
Levamos para a praia e foram a salvação nos horários que não dava para ir ao mar.
Com formato mais compacto e forma triangular tornam-se ergonômicos. Produzidos com madeira de reflorestamento certificada pelo FSC. Disponível em duas versões, caixa com 12 e 24 cores.
A Linha Jumbo ainda conta Canetinha Jumbo em 6 e 12 cores, Aquarela Jumbo, Giz de Cera Curtom Jumbo e Gizão de Cera Jumbo.

LINHA GRIP
EcoLápis de Cor Grip




A LINHA GRIP é super confortável para desenhar. Com formato triangular ergonômico e esferas antideslizantes proporciona maior firmeza no traço. Adorei o espaço para escrever o nome da criança na base do lápis. Vem com estojo de metal, que era minha paixão na infância. Tem algo de nostálgico em guardar os lápis nas latas. Vem em 12, 24 e 36 cores. 


EcoLápis Grafite Grip, produzido em madeira 100% reflorestada, certificada pelo FSC. Para completar a Borracha FC MAX que é exatamente a que uso para ilustrar. O Apontador com depósito Mini Grip Colors que possui sistema abre-fecha, impedindo a saída da sugeira e protegendo a lâmina de aço temperado para maior durabilidade. Marca-texto Super Gel Faber-Castell, nos apaixonamos por ele, por possuir tinta gel não mancha o outro lado da página, não requer tempo de secagem e ao mesmo tempo não resseca se ficar destampado. Recebemos a cartela unitária com o amarelo mas está disponível também em rosa ou caixa com 6 cores.


Aqui no sul as aulas ainda não começaram, então aproveitamos para desenhar de sunga mesmo!
Primeiro quero dizer que amei o livro, assim, de cara!

SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE de Patrick Ness, editora Novo Conceito.
Uma história triste sobre um guri que tem uma mãe que está morrendo de câncer, mas ele não quer admitir isso.  Desde que ela começou o tratamento, ele começou a ter pesadelos. E pra piorar, uma árvore, que fica num cemitério atrás da casa dele, ganha vida e vira um monstro que vem assombrá-lo de noite, sempre no mesmo horário. O Monstro vem para contar histórias, histórias selvagens e espera que no final, Coner, o guri, possa contar uma também. Mas uma história verdadeira. Pra piorar ele vai ter que ir morar com a avó (super rígida), enquanto sua mãe tenta um novo tratamento no hospital, já que o pai foi embora para os Estados Unidos formar uma nova família. Tudo isso e muito mais, sobre os ombros de um pré-adolescente de 13 anos... entrando naquela fase de silêncios onde eles são grandes de mais para certas coisas e crianças demais para outras. Conflito puro!

Nós vemos como uma doença pode afetar a vida de uma criança, pelos olhos e pensamentos dela. 

Meu livro ficou cheio de asteriscos depois da leitura. Muitas frases bonitas.
Lindo, chorei, mas aprendi muito. Fica a dica.

E já saiu o filme! Agora que li o livro vou ir vê-lo. SEMPRE leio o livro antes!
Fica a dica!
Ah! Olha o trailer:
Já falei aqui como amo a dupla Blandina Franco e José Carlos Lollo, né?! Acho que eles traduzem super bem o universo infantil.
O MENINO QUE QUERIA IR da editora Globinho, fala da curiosidade infantil de sempre querer conhecer lugares novos, de não conseguir ficar parado e sempre querer ir mais longe:

pra fora da

barriga da mãe,
 pra fora do berço, do quarto,

do quintal, da pracinha, da escola.... Mas também pode falar daquela ansiedade dos adultos: estamos num lugar, mas a cabeça já está lá no nosso próximo compromisso e como vamos chegar atrasado de não corremos logo. Sabe como é? O corpo pode até estas presente mas a cabeça está na próxima jogada. E muitas vezes acabamos passando isso pras nossas kids. 
Muito rico e muito fofo, ao mesmo tempo.

E vou dizer uma coisa: sempre leia a biografia dos autores. As kids adoram como eles pegam o tema do livro e escrevem sobre si mesmos. 

Ter um bebê em casa é sempre uma gangorra de emoções com descobertas e novidades a cada semana, algumas tranquilas e outras nem tanto. Um acontecimento que está nos dando frio na barriga é a aproximação do desfralde. A partir de um ano e meio, ao ver outras crianças da mesma idade sem fraldas nos perguntamos se chegou a hora. Já ouvi mães dizendo que com pouco mais de um ano o filho tirou a fralda e não quis mais usar, outras que aos 3 ainda não davam sinais de querer deixar as fraldas. O Lucas já se sente incomodado, tenta tirar sozinho mas decidi esperar um pouco, acho importante que consiga avisar com tempo de chegar no banheiro.
Descobri lendo em outros blogs sobre indícios que podem ajudar a saber o momento certo. O primeiro é acordar com a fralda seca, se controlou durante a noite será mais fácil segurar de dia; ajudar a tirar e colocar a calça e tem ainda dois que só fui descobrir a pouco tempo, pular com os dois pés e subir os degraus da escada com um pé de cada vez sem ajuda. Pelo que entendi, existe uma relação entre os músculos que executam essas duas funções e o controle dos esfíncter. Além da maturidade fisiológica temos que levar em consideração que algumas crianças sentem medo de cair do vaso sanitário ou de sentar no penico e isso deve ser trabalhado. Precisamos mostrar carinho e paciência neste momento, assim se sentirão seguros para encarar o desafio. Já que cada um se desenvolve no seu tempo seria um desrespeito tentar impor um desfralde apenas porque outros já conseguiram na mesma idade ou porque a escola exige, o ideal é que a vontade venha da criança. Para isso sugerimos alguns livros que introduzem o assunto e o tornam mais leve e familiar.


O que tem dentro da fralda? Ganhamos da Gisele, o Lucas adora! Mesmo não estando em processo de desfralde, ele brinca regularmente com este livro. O ratinho curioso quer saber o que há na fralda dos seus amigos e em cada página pergunta a um animal diferente se pode ver o que tem na fralda. As fraldas dos bichos são em pop-up, a criança abre para ver o que cada um fez na sua. Ela conhece com o ratinho os diferentes tipos de cocô de cada bicho. No final todos querem saber o que tem na do ratinho. Essa é a sacada do livro, ao abrir a fralda do ratinho, a criança se surpreende, ela está vazia! Mas onde foi parar o cocô então?

 O lobinho usa o penico.
Esse também ganhamos da Gisele.
O livro tem uma vantagem sobre os outros, é confeccionado em material plastificado, (não é livro de banho, é papel plastificado) pode ser levado para ler durante o processo sem correr o risco de estragar.
O lobinho encontra um objeto e junto com os pais tenta descobrir para que serve. Com desenhos fofos e história divertida, ajuda a familiarizar a criança com o penico.

Você pode conferir a resenha dele AQUI.

Você pode conferir a resenha dele AQUI.

Tem muitas crianças que tem nojo e medo do coco, então tem uma dica AQUI.