Dicas para ententer crianças presas em casa
Opa!
De novo aqui o Rodrigo para falar de mais um livro. Hoje vou falar sobre “O Olho do Mundo”, de Robert Jordan, o primeiro da série “A Roda do Tempo”. Para quem gosta de histórias de fantasia, essa série é um prato cheio. Se você gostou de “O Senhor dos Anéis”, aqui está outra série que pode ajudar a curar essa sensação de vazio que fica depois de terminar a saga do Um Anel. 

 Nessa história, o mundo é regido por ciclos, com o duelo entre o Bem e o Mal se repetindo, mas nunca com um desfecho definitivo. Cidades se formam e são destruídas, e as pessoas reconstroem suas vidas sobre as ruínas do que sobrou. Tudo está em paz, mas todos têm noção de que, em algum momento, o Tenebroso retornará para trazer a guerra. É num momento de festa, em uma cidade esquecida no meio do nada, que um exército de Trollocs aparece para tentar capturar três jovens rapazes. Eles só conseguem escapar porque uma representante das Aes Sedai, a guarda milenar de guerreiras, já previa esse ataque. 

Esse livro acompanha a fuga do grupo até a capital do Reino e os confrontos com as forças do Dragão Renascido. Como na história de Tolkien, o grupo se separa e encontra outros personagens que trazem profundidade à história e explicam a mitologia e o histórico de eventos que levaram até este ponto no tempo. O objetivo das forças do Mal é quebrar a Roda do Tempo, acabando com os períodos de paz e fragmentando o mundo. Se os garotos vão evitar esse desastre ou são peças fundamentais para que o Apocalipse realmente aconteça, só lendo a série até o final!

Perfeito para Teens Indoors.

Fica a dica!
Oiii. Bom dia! 
Olha só: Descobri recentemente que a editora Girassol lançou uma coleção chamada Clássicos Ilustrados. Nela, tem vários títulos de histórias infantis clássicas, como Chapeuzinho Vermelho, Cinderela, O Príncipe e o Sapo, etc... Mas com os personagens mais queridos do Brasil!
Sim! Os da Turma da Mônica!

Este mês comecei a estudar a História do Patinho Feio, mais a fundo. E como estou fazendo pós graduação (não sabia? Veja AQUI) em Literatura Infantil, resolvi pesquisar as versões brasileiras da história do Patinho Feio*.

E nossa parceira, editora Girassol, me mandou esta versão:

 O PATINHO FEIO - CLÁSSICOS ILUSTRADOS de Maurício de Souza, Editora Girassol.
O livro é grampeado, com uma capa de papel mais grossinho.

Logo na capa vemos que, ele é diferente dos outros patinhos presentes (que riem dele, junto com o porco), mas sentimos a compaixão do olhar do Chico Bento para com o Patinho cinza. E tem afeto nesta troca de olhar.

Ao abrimos o livro, temos um branco, como uma cortina ou um passe-partout, silencia o lugar, para focarmos no início da história. A capa se repete na folha de rosto e só na próxima virada de página é que a história realmente começa.

Todo em caixa alta, com frases curtas,

o livro inicia a história contando que a Dona Pata chocava alegremente seus ovos, quando percebeu que um era bem maior que os outros. Ela não sabia como tinha botado um ovo tão grande.

Os patinhos começam a nascer, mas o do ovo grande demora mais. Quando nasce, ele é mais forte, feio e desajeitado que os outros. 

E embora o texto traga palavras que depreciam o novo membro da família, começa com uma palavra de empoderamento. 

E quando a mamãe Pata reúne a prole, vemos que ela está com um olhar triste para os que estão debochando do filhote diferente. 

De tanto ver o que os outros estavam fazendo, os irmãos também começam a debochar do patinho feio. Este, cansado de tanto violência verbal, decide voar pra bem longe. 

O livro traz vários encontros com outros patos, com um cachorro, com uma velha, com o gato e a galinha agressivas. Ele tenta se adaptar, mas sempre acaba, indo embora...

Até que, depois de uma longa jornada, ele se dá conta que mudou, ao ouvir as crianças falando dele e ao ver seu próprio reflexo na água.

Embora apareçam os personagens da Turma da Mônica, nunca falam: "O Chico bento viu...", "A Rosinha falou...", "O mingau não gostou....". São só mais um elemento pra enriquecer a história para as kids.

O livro é curtinho, 16 páginas. As ilustrações são como as dos quadrinhos, mas de página inteira (sem as divisões e quadradinhos, dos quadrinhos) e o texto é de fácil compreensão e de fácil leitura, pra quem está iniciando o processo de leitura individual. 

Aqui, vocês podem ver quais os outros títulos que fazem parte desta coleção.
Fica a dica!
Boa leitura!

Para comprar: https://amzn.to/2HIgfP8

* Você tem dicas pra mim? Estou procurando livros desta história dos anos 20, 30, 40, 50, 60, 70, 80, 90 3 2000. Já tenho alguns, mas adoraria saber quais você tem ou conhece! Deixe nos comentários dicas pra mim, por favor. Ou escreva para kidsindoors@gmail.com
Sua ajuda será muito bem-vinda! E prometo te agradecer no meu trabalho.

Estive no Uruguai, passeando sem kids, basicamente sem internet, sem voz (peguei uma gripe #leidemurphy) e descobrindo novas livrarias e sebos (a lista aumentou, veja AQUI).

Os preços estão muito altos. a vida está cara por lá. Um bom livro infantil não sai por menos de 80-100 reais.

Pesquisei bastante e consegui comprar este por 45 reais.

É o livro da vez! ELEVADOR de Kyung Heyewon, da Oceano Travesia.

 É a história de um guri que mora no 20° andar e pega o elevador, pra devolver um livro sobre dinossauros (sua paixão), na biblioteca. 

 O livro é cheio de onomatopeias.

 A cada andar, para a surpresa do guri, 4


entram mais e mais dinossauros,

até o elevador ficar lotado, e até o espaço branco das páginas vai ficando cada vez menor.

 E quando o elevador está com sua lotação máxima, um dino solta um PUM e

isso desencadeia uma série de eventos!

 Perfeito pra kids pequenas,

 em especial, amantes de dinossauros! Pouco texto, ilustrações bonitas e divertidas, muito branco (amo isso em livros infantis - espaço de respirar, funciona como o pasasse-partout, num quadro. Despolui, Limpa ao redor pra você concentrar no que é importante). Um achado.

Legal deste livro é que se você ler só o texto antes, ou em voz alta, não dá muito pra saber o que está acontecendo. Precisa das ilustrações pra dar um sentido à história.

Muito divertido e lindo, super recomendo!

Recebemos da Catapulta Editores o maravilhoso box de culinária, Chef Mirim, de Pía Fendrik. O kit traz um livro de receitas, batedor, colher de pau, espátula, rolo de abrir massa e forma para mini torta antiaderente. Os utensílios são de ótima qualidade, em madeira, metal e silicone.

Eu adoro cozinhar em família, e o Lucas mais ainda, já que meu pai e minha mãe são confeiteiros. Quero que desde cedo ele se sinta capaz de preparar seus alimentos e oferecê-los como ato de amor. Fiquei muito feliz que o kit não é em tons de rosa, o que até um tempo atrás era regra em utensílios de cozinha para os pequenos.


O livro traz receitas separadas por país, para que possamos conhecer um pouco mais da culinária local.


Escolhemos a nossa preferida, uma típica receita de alfajores argentinos.


Com fotos ilustrativas, as crianças (e adultos) vão achar super fácil de executar o passo a passo.


Já que estamos nas férias escolares, convidamos a nossa amiga Betina para ajudar a fazer os alfajores. Separamos os ingredientes.


Betina  picou a manteiga, enquanto o Lucas mexia a farinha.


Ralou a casca de limão...


 ... E o Lucas testando o batedor na farinha.


Ela bateu a manteiga...


... E Lucas ainda na farinha.


Misturando a manteiga com os ovos.


Misturando a casca ralada.


Agora sim, peneirando a farinha.


Misturando com o amido de milho.


Incorporando tudo.


Amassando na mesa 


Abrindo a massa com o rolo sobre papel vegetal.


Cortando os biscoitos. O molde de metal não vem no box mas dá pra usar um copinho pequeno.



Biscoitos na forma.


Já assados.



Passando doce de leite e colando os biscoitos.


Finalizando com flocos de coco (esses da foto fazemos em casa).



Melhor receita de alfajor que já provei, (dá pra ver as raspas de limão na massa, fica delicioso).


Super dica para as férias escolares. Quem quiser fazer em casa, é só abrir as imagens do livro que encontrará a receita.
Vocês podem encontrar mais informações sobre onde comprar e outros títulos no site da Catapulta.

Olá de novo, galera! 
Aqui é o Rodrigo, o irmão da Gisele. 


A análise da vez é do livro “Ferramenta dos Titãs – as estratégias, hábitos e rotinas de bilionários, celebridades e atletas de elite”, da editora Intrínseca. Não vou dizer que o autor é o Tim Ferriss, porque na verdade ele conversou com centenas de personalidades para descobrir os seus “segredos e truques” para chegar aonde eles estão.
De Arnold Schwarzenegger a Paulo Coelho, temos uma variedade incrível de pessoas contribuindo com suas ideias.


Tim Feriss é um cara bem estranho. Depois de se estressar demais ao abrir uma empresa, decidiu tirar um ano para viajar. Para não acabar com a empresa, ele terceirizou o máximo de coisas que era possível. Contratou uma empresa para negociar com os fornecedores, outra para tratar das entregas e outra para fazer o atendimento aos clientes. Descobriu que gastava mais dinheiro pagando esses serviços, mas em compensação gastava apenas uma hora por dia para gerenciar tudo. Como as coisas não dependiam exclusivamente dele, a sua empresa conseguiu crescer ainda mais! Então ele viajou pelo mundo, foi campeão de tango na Argentina, e lançou um livro chamado “Trabalhe 4 horas por semana”. A partir daí, Tim virou um ídolo para aqueles que não querem passar 35 anos presos a uma mesa de escritório. Conforme foi ganhando fama, ele foi conseguindo acesso a mais e mais personalidades, o que aumentou ainda mais o chamariz para suas atividades. Escreveu diversos livros, tem um podcast que já teve mais de 400 milhões (!!!!) de downloads e um blog acessado por milhões de pessoas toda a semana. O alcance dele é tão grande que ele já tirou diversos sites do ar só por mencionar um produto ou serviço oferecido e seus seguidores extrapolarem o limite de acessos dos servidores. 


“Ferramentas dos Titãs” é mais uma obra de referência do que um livro para ser lido de cabo a rabo. Está separado em três seções: Saúde, Riqueza e Sabedoria. Não são entrevistas, são conversas com essas personalidades, onde eles expõem as lições que aprenderam durante a vida. Desde maneiras de acordar até como lidar com frustrações, como pensar no futuro dos seus investimentos até aprender a dizer não. Em vez de ler do início ao fim, recomendo abrir aleatoriamente o livro em alguma página e saborear o capítulo que você encontrar. Dificilmente não haverá alguma ideia nova, uma filosofia de vida ou uma sugestão que se encaixe na sua vida. É um livro para escrever nas margens das páginas e reler de tempos em tempos para não deixar a motivação morrer ou perceber como a experiência faz a gente encarar as coisas de maneira diferente.


Tem muita coisa que eu gostaria de ter lido quando era adolescente. Tem muita coisa que só faz sentido com mais de trinta anos de vida. “Ferramentas dos Titãs” é uma caixa de ferramentas para encarar o mundo que está à nossa volta. Nunca vamos precisar de tudo o que está dentro da caixa, mas pode ter certeza que alguma coisa ali vai lhe ajudar. 


““O truque mais importante para ser feliz é perceber que a felicidade é uma escolha que você faz e uma habilidade que você desenvolve. Você escolhe ser feliz e depois trabalha para isso. É como treinar um músculo.”

De Vanessa de Abreu Barbosa Fernandes e Moisés Chencinski, ilustrações de Helena Cortez.
Editora Paulinas.


Chega a dar um quentinho no coração receber de uma editora tradicional como a Paulinas um livro onde a narrativa abra espaço para o ativismo pró-amamentação. 
Escrito pela Vanessa de Abreu (nutricionista e mãe do  Lucca e da Marcela) e pelo pediatra e homeopata Moises Chencinski foi lançado em maio em homenagem ao mês das mães.
O livro começa falando sobre a importância da amamentação e de conscientizar as crianças. 
Aumenta nossa esperança ver num livro dirigido ao público infantil conhecimento e dicas ajudarão a instrumentalizar as próximas gerações.


Explica aos pequenos o que é ser mamífero através das dúvidas do Lucca que está se adaptando à chegada da irmãzinha em casa.


Lucca pede para a avó preparar um bolo para dar à irmãzinha. A avó o chama para ajudar e conta através das histórias de animais sobre a necessidade dos bebês se alimentarem exclusivamente de leite materno.



Durante toda a narrativa recebemos, através da voz da avó, dados corretíssimos sobre amamentação e, no final, Lucca entende que a irmã não precisa de mais nada para viver.


Deixo aqui a contra-capa com a recomendação do Carlos González sobre o livro. Para quem não sabe, ele é um pediatra e escritor espanhol que mais incentiva amamentação e criação com amor no mundo.  

Aqui em casa, fizemos toda uma preparação para amamentar o Lucas. Abri mão de muitas coisas em favor do meu sonho de chegar aos dois anos de leite materno, busquei informações, entrei em grupos de amamentação e tinha uma consultora à disposição para qualquer necessidade. Tive o privilégio de contar com rede de apoio. Torço para que, quando nossos filhos forem adultos, amamentar exclusivamente até os seis meses, em livre demanda e poder manter a amamentação até os dois anos, seja uma realidade possível para todas as mães que assim desejarem.
Parabéns aos autores e editora.