Top 10 por Nedjma Brandão e família

 Bom dia!
Hoje no THE BEST of 2016 temos os dez melhores livros lido pela família da minha amiga Nedjma Brandão. Eu a conheci pelo instagram da @sobreissoeaquilo e depois desvirtualizamos no lançamento do Monstrorante, em julho desse ano! A família dela é um amor e a filha dela um encanto!
Então já começo agradecendo o carinho e por vir participar do nosso top10 de 2016! Muito obrigada!!!!

Com a palavra Nedjma Brandão:

"Olá!!!

Meu nome é Nedjma Brandão (@nedjma_brandao), pedagoga, 33 anos. Sou mãe da Agnes (6 anos) e do João (3 anos). Depois de dias tentando escolher o livro mais querido de 2016, chegamos à conclusão de que essa era uma tarefa impossível!!! Foram tantos livros marcantes e não seria justo com nenhum deles nomear apenas um como "the best". Ao chegarmos a essa conclusão enfrentamos outra dificuldade: escolher apenas 10 para uma lista de favoritos. Mas, conseguimos! A única coisa que não conseguimos foi numerá-los de 1 a 10. (Risos). Para nós todos merecem o primeiro lugar na lista. Então optamos por registrá-los à medida em que sorteávamos seus nomes escritos em papeizinhos igualmente dobrados.

Vamos aos livros:

1- Mamãe já foi pequena antes de ser grande, de Valérie Larrondo e Claudine Desmarteau. Tradução de Pedro Karp Vasquez - Editora Rocco (Jovens Leitores).
Simplesmente hilário! O texto diz uma coisa, a ilustração diz outra. As crianças riram o tempo todo. Enquanto lia não podia conter o riso também. Recordar com eles momentos que vivi foi maravilhoso! E no final da história falavam sem parar: "mamãe já foi criança mesmo!"

2- Selou e Maya/Maya e Selou, de Lara Meana e María Pascual de la Torre. Tradução de Graziela R. S. Costa Pinto - Editora SM.
Cada um se identificou com um dos personagens (muito fofooos!) e o livro que por si só não tem fim ficou infinito para eles!

3- Papai Urso, de Cecília Eudave, ilustrações de Jacobo Muñiz. Editora SM.
Precisávamos falar sobre estresse e o que acontece quando o vivenciamos em família e este livro foi essencial e é inesquecível! Ficaram compenetrados durante a leitura. Uma lágrima rolou na face de Agnes que disse ter podido sentir a dor da personagem. João suspirou. Sorriram maravilhados com o desfecho da história!!!


4- A Família Regrada, de Anna Cruz, ilustrações de Mariamma Fonseca. Editora Schoba. Com seis pequenas (e profundas) histórias a autora nos cativou pela narrativa simples de vivências presentes em todas as famílias.
Da necessidade da compreensão de regras à falta dela, da tentativa de interpretação dos sentimentos vividos à vivência de momentos inesquecíveis traduzidos em diálogos e poesia, o livro embalou os dois pequeninos que queriam que cada uma das histórias fosse lida mais de uma vez.

5- Flop, a história de um peixinho japonês na China, de Laurent Cardon. Editora Panda Books. Livro de ilustrações encantadoras e um milhão de histórias possíveis. Dia sim, dia não Flop vive uma história diferente por aqui.



6- Monstrorante, de Gisele Federizzi Barcellos. Toda vez que seguram este livrinho começam a cantarolar: "Chegou aqui o Papão com fome de leão, entrou no Monstrorante com voz de um gigante. Pediu!" O sabem de trás pra frente, de frente pra trás! Adoram o final, que com toda certeza nos surpreendeu bastante. Além disso, super curtiram o livro que veio o acompanhando para que pudessem colorir e reescrever a história.
Para Agnes ficou marcado por ser seu primeiro livro autografado.

7- Ziiim, de João Wady Cury e Ilka F. Mourão, Editora Leya.
"Mas como não se perder dentro da imensidão do universo?" À medida que vamos lendo viajamos de fora para dentro! Descobrimos que a resposta sempre esteve pulsante em nós!

8- A Menina da Cabeça Quadrada, de Emília Nuñez, ilustrações de Bruna Assis Brasil.
Brincaram muito de Cecília (personagem principal do livro) que num belo dia acorda com a cabeça quadrada e inicia uma jornada para tentar reverter isso. Traz uma reflexão necessária, suave e redondinha sobre a utilização equilibrada da tecnologia.

9- Todos os Meus Sonhos, de Ivan Zigg. Editora Nova Fronteira.
O autor nos falou sobre os sonhos e o sonhar. Sobre o olhar que podemos e devemos manter diante da vida, ao observarmos e sentirmos o que nos rodeia. Olhamos muitas nuvens, admiramos muito a lua e lembrando desse livro conversamos muito antes de adormecermos e ao despertarmos.

10- O menino que queria virar vento, de Pedro Kalil Auad, ilustrações de Luísa Helena Ribeiro. Editora Aletria.
Acalmou os coraçõezinhos por aqui em um momento em que sentir e falar sobre saudade doía muito. O livro os ajudou a respirar com tranquilidade e se sentirem empoderados para encontrarem a maneira de estarem próximos dos que estavam fisicamente distantes. Foi libertador!

Muitos questionam o fato de lermos os mesmos livros com e para faixas etárias diferentes, o que posso dizer sobre isso é que: a experiência é incrível! Bons livros transcendem classificações e alimentam a alma! Leiam! Leiam sem amarras, despindo-se de pré-conceitos e sintam o suave sabor do encontro consigo mesmo e o brilho da transformação nos olhos dos pequeninos!"

 --------------------------------------------
Amamos tooodos! Muito obrigada pela participação! <3

Comentários

Veja também

Mostrar mais