Dicas para ententer crianças presas em casa

Nossa repórter especial, Márcia do @Boaleiurabomapetite, foi com seu filho Sylvio, semana passada, ver a pré-estreia do Kung Fu Panda 3, no Cinemark do Shopping Píer 21.
O lançamento está com estreia marcada para o dia 3 de março de 2016.
Ela nos conta:

"A animação Kung Fu Panda, traz ação e diversão para a telona, novamente, com o Pô, o protagonista que é um urso panda, grande, gordo e desajeitado. Ele ainda não consegue acreditar o suficiente em si mesmo para atender um "chamado" de salvação e, para se tornar o grande panda guerreiro que salvará a todos. As cenas do filme continuam muito divertidas, ele sendo designado à função de líder, mas, descrente e desajeitado submete seus grandes amigos a momentos engraçadíssimos. É ai que de repente o sumido pai, reaparece.
 
Todos na Vila logo identificam aparência comum entre os dois, porém o mais engraçado é que eles são igualmente grandes, desligados e desajeitados e não se reconhecem!
 É muito divertido neste momento, ainda mais que o pai adotivo, assustado, revela todo seu ciúme."


"O pai biológico resolve visitar o filho mas, com a intenção de levar o filho para uma reunião familiar, que seria apresentar ao filho sua origem, seu povo. No meio da confraternização, no entanto, o panda guerreiro é surpreendido por um espantoso vilão e recorre aos velhos amigos para treinar os moradores locais a fim de combater o ser malvado. Quando panda percebe que seus amigos e seu povo estão ameaçados, ele resolve realmente encarar e lutar contra o vilão."


"Por vários momentos o vilão aparece em cenas como o espírito do mal. Para minha surpresa todas estas cenas de ação, ainda mais sendo um filme 3D, meu filho não tirou os olhos da tela, o garoto de quatro anos não ficou com medo, nem tão pouco assustou-se. Mas, foi numa cena, depois que todos os pandas já estavam vivendo juntos na mesma vila, e, o tal vilão reaparece, aprisionando os melhores amigos do panda, e ameaçando acabar com todos da vila. Foi ai, que meu garoto entristeceu, esta cena de ação não teve mais aquele interesse por ele. Separar e destruir amigos e família, seria impossível suportar, difícil. Mas, ele resolveu fechar os olhos, se negando a ver o desfecho disto."


"Só que, como ele é muito curioso, ele decidiu fechar o olho uma parte, sem sair do cinema, e ficar p ver só mais um pouquinho. Foi ai que tudo mudou, o panda é vitorioso, e melhor de tudo, graças a união de todos que ele mais amava, ele derrota o vilão a partir da força que recebe de todos que tanto ama, e melhor, da união pelo amor de seus dois pais, o pai biológico, e o pai adotivo, que deixam de ter ciúmes, e passam unidos, viverem felizes."


"Observação, durante o filme fiquei imaginando como meu filho denominaria este filme: luta, ação, terror, medo... Mas ele resolveu classificar o filme como de Kung fu e dançante."


"Meu filho ama som, música, ritmo, e, a última cena do filme é uma linda festa com todos amigos e famílias reunidos consagrando Kung Fu Panda como líder, vitorioso. Um embalo envolvente, música com ritmo dançante, as crianças se sentem a vontade e até adultos se balançam.
Todos saíram da sala neste balanço. Muito contagiante. Amamos e recomendamos!"

Produção:DreamWorks Animation Oriental DreamWorks
Distribuição: 20th Century Fox
Tempo: 95 minutos

William e Ana Paula, país da pequena Amy, ganharam ingressos do Kids Indoors para assistirem o filme com seus kids:
 
"Assistimos ao filme Kung Fu Panda 3 e adoramos! O filme tem imagens lindas, que superam os dois que o antecederam. Ele se destaca mais ainda pela mensagem que deixa em seu enredo, pelo resgate ao valor da coletividade, da ação conjunta, reforçando a ideia poética de que "um mais um é sempre mais que dois" Beto Guedes/ Ronaldo Bastos

Fica a dica!
Foi paixão a primeira vista: Ceci viu esse livro e se apaixonou!
 
Quando recebemos os lançamentos da editora Carochinha a Cecília abraçou o livro de tão feliz.
ATUM - O GATO GRATO de Thais Laham Morello, com ilustrações de Juliana Basile. Editora Carochinha.
O livro é grande, com textos curtos em letra bastão (ótimo para quem está se alfabetizando e começando a ler sozinho), as ilustrações são grandes, lindas e coloridas.
A história é sobre o gato Atum, que fala das profissões que ele já teve, nas suas 7 vidas. Hoje ele está aposentado. E o mais legal é que ele sempre, sempre mostra-se muito agradecido pelas oportunidades que a vida lhe deu, por exemplo:  por poder olhar para baleias, quando foi marinheiro ou por ter comida saudável, quando foi cozinheiro. Uma ótima maneira de trabalhar a gratidão com crianças pequenas... Principalmente na fase que eles mais pedem coisas: a do quero-quero! Um livro pra mostrar à elas que elas já tem tanto e que precisam mesmo é agradecer e não querer mais e mais.

Ficamos super agradecidos pelo livro! Um lindo presente!
 Ah! E atenção! Dependendo da livraria, vem junto uma caixinha/calendário para você montar e encher de bilhetinhos falando sobre tudo que deixa você feliz e grato! Muito fofo!

Pra minha surpresa hoje a Cecília apareceu com esse dedoche que ela mesmo fez!
Como ela foi convidada pela Silvana, da @casadeleitores (antiga Cuca de Gente Miúda), para contar histórias, ela já está elaborando o material dos livros que quer trabalhar (te mete com a baixinha!).
Me pediu linha e tecidos e eu achei que era pra fazer roupa para uma cachorro de pelúcia. Mas não era. E tirou foto do material que usou pra colocar no blog: Agulha, linha amarela, caneta permanente ponta fina, lápis, tesoura e feltro. Ah! Também usou cola quente (ela tem 9 anos e já pode usar sozinha).
Prontinho. Dobrou o tecido, costurou e virou do avesso, pra costura ficar pra dentro. Usou a canetinha para fazer o rosto e batom pra fazer a bochechas do gato. Colou com cola quente os triângulos de tecido para fazer as orelhas e as listras do Atum.
Parece que o gato Atum também quis brincar com o dedoche! Fica a dica pra contação da história!
Quer saber mais sobre o Atum? Sabia que ele existe de verdade?!!!
Foto e entrevista do Atum, AQUI.
Boa leitura!
Antes de morar em Brasília, nunca tinha ouvido falar...

Mas aqui é uma sobremesa super comum e nem acreditei quando vi a receita. Super fácil de fazer. Todo mundo adora! Perfeita pro final de semana!


Ingredientes:

1 pacote de bolacha maisena
1 lata de leite condensado
1 colher (sopa) de café solúvel granulado
1 colher de (sopa) de margarina
2 colheres (sopa) de licor de Amarula - opcional - PARA ADULTOS ONLY!
½ xícara (chá) de chocolate ao leite, derretido
1 colher (sobremesa de margarina para untar)
Chocolate derretido para decorar (eu prefiro meio amargo, mas pode ser o que você gostar mais)


Modo de Preparo:

Quebrar as bolachas e reservar.
Em uma panela, juntar os demais ingredientes e cozinhar em fogo médio, mexendo sempre, até a mistura começar a se soltar do fundo. Desliguar o fogo e misturar as bolachas.
Untar uma forma retangular com a margarina e colocar a mistura bem espalhada, tampar com papel alumínio e levar à geladeira por 4 horas. Retirar da geladeira, cortar em quadrados ou retângulos e decorar com chocolate derretido.

Tempo de preparo: 35 minutos (+ 4h para gelar)
Rende 10 porções mais ou menos

Receita testada e tirada DAQUI. Mas não deu tempo de tirar foto, quando lembrei já tinha sumido todas! Bom sinal!
Oiii.
Hoje estamos participando da campanha do dia da leitura em voz alta!

Aqui em casa quando estou preparando o almoço a Cecília senta do meu lado e lê pra mim... Mas não é um ler só falando mecanicamente as palavras que aparecem na folha de papel.
Ela precisa ficar numa posição ereta, para que  a caixa toráxica fique reta e livre. Assim respira melhor e pode ler em voz alta com uma clareza maior, explorando a dicção e oratória, a impostação da voz (dosando a voz, o volume até, usando a força dependendo do tamanho do local - nem muito alto, nem muito baixo), a entonação, a pontuação, ritmo, ênfase nas palavras certas, isso tudo, além de ajudar na concentração e expressividade. 
Ler em voz alta para um outro requer habilidade que vem com a prática. Ela reforça e fortalece a gramática, como qualquer leitura, e ao mesmo tempo ajuda a fixar melhor as ideias, os conceitos e aprende a se comunicar melhor... Pois não basta uma verborreia para se entender o significado do que se está lendo. Lendo em voz alta a criança aprende a expressar-se para se comunicar, para transmitir uma ideia.
Na verdade verdadeira é importante pra todo mundo ler em voz alta, não só para as kids! Ajuda a gente a entrar dentro da história ainda mais, pensar como seriam os trejeitos dos personagens, as vozes... É muito curioso: ler em voz alta, com amor, repara, o corpo todo lê junto.
 
 Hoje foi minha vez de ler em voz alta para vocês:
Escolhemos o livro 
 GUS, THE TRAVLER de Yvette Pais, editora InVerso.

Gus o personagem principal do conto é um ratinho curioso, criativo e inteligente que gosta viajar pelo mundo de um jeito muito diferente. Nesse livro ele viaja para todos os 7 continentes e faz amigos pelo caminho.
 Ele acha fantástico a ideia de viajar a vários lugares, dando dicas culturais. Através de uma narrativa de ficção, Gus apresenta pro leitor fatos reais, um pouco dos pontos turísticos, da alimentação, aprende algumas palavras novas e expressões na língua da cidade onde está e passeia, levando um souvenir do lugar.
O livro é indicado para crianças de 7 a 10 anos. O texto é inglês para leitor fluente. 
É paradidático e usado por várias matérias por ser multidisciplinar.
Recebemos o livro da autora. Muito obrigada pelo carinho!
Ah! No final do livro há mapas para a criança colorir, fazer a sua própria rota de viagem, ou fazer a rota dos personagens do livro!

Minha leitura:
 
video

 E você? Que livro leu em voz alta hoje?
 
O QUE NÃO VIU CHAPEUZINHO VERMELHO de Mar Ferrero, da MOVpalavras.
 Sinopse:
Em O que não viu Chapeuzinho Vermelho, a autora se vale de diferentes perspectivas narrativas para nos fazer perceber que tudo depende de quem vê e de seu modo de olhar. Essa é uma boa oportunidade de ler, com outros olhos, este conhecido conto de fadas: uma história que revisita criativamente a tradicional, apontando que nem sempre podemos ver o que se mostra, às vezes, bem embaixo de nosso nariz. As ilustrações, de grande delicadeza nos traços feitos a lápis, compõem essa diversidade de perspectivas, enquanto se mantém a sensação de estarmos desvendando segredos de um universo tão familiar, ainda que particular, como são os contos resgatados da tradição oral. 

Muito divertido ver os diferentes pontos de vista dos diferentes personagens. Uma história tem sempre mais de um lado!
 O texto é curto, leve e escrito em capítulos. Ótimo para crianças lerem sozinhas, ou para pais lerem pedaços antes das crianças irem dormir. As ilustrações são muito bonitas (não nos cansamos de olhá-las) e cheias de detalhes. 
Amo quando as ilustrações são feitas com materiais que a criança usa no dia a dia, no caso aqui Lápis de cor. Mostra que eles também são capazes de fazer igual o ilustrador, basta sentar, ter paciência (pra não pintar tudo correndo) e muita imaginação. 

A edição é super caprichada, capa dura e muito clean. Como as ilustrações são delicadas e pontuais, o fundo branco deixa tudo harmonioso e muito bom de olhar.

E o final é surpresa pra todos! Levo nosso exemplar para todos os piqueniques que fazemos e sempre ouço: "Nunca imaginei isso!" É tão bom quando um livro surpreende a gente!

Vou dar uma dica, mas não um spoiler:
 Então ,depois da leitura, fomos fazer um óculos de enxergar pior!  Dava pra ter feito uma forma de lupa também. mas achamos que o óculos ficava mais com cara de vovó. Hehehe. No papelão a Ceci desenhou o óculos e recortou. Eu fiz a parte do estilete (essa é a parte do adulto).
 Depois coloriu com a canetinha permanente, em cima da fita adesiva, que já estava presa no papelão. Isso deixou o vermelho bem vivo. Em seguida pegou um papel vegetal e fez o formato dos olhos, recortou...
 Colou com cola quente no verso. Agora que ela já tem quase 10 anos, estou deixando-a usar a pistola, mas sempre comigo junto. E veja como ele funciona: Quando perto a imagem fica um pouco embaçada e a medida que você vai afastando o óculos, é quase impossível de ver alguma coisa!
Fomos tentar ler o texto e ver os detalhes da imagem.
 A cada afastada a coisa vai ficando mais difícil.

Fica a dica da brincadeira e da leitura!
Amamos.
 Queremos dizer que o nosso IBGD foi um sucesso! Fizemos para arrecadar doações de livros para a ASSOCIAÇÃO REALIZANDO SONHOS, do Varjão-DF.
 Antes mesmos do Piquenique começamos a receber doações. Muito obrigada!
 Montamos a barraca cedo,
 com casinha gourmet (enviada pela @franfabrique),
 fantoches...
 Mas s livros precisaram ser amarrados, pois ventava muito.
 Mas o bom é que a previsão de chuva não se cumpriu.
 E aproveitamos um dia lindo de sol com muita leitura.
 Todos esses livros foram escolhido pelas minhas kids,
 para mostrarem para as outras crianças.
 Uma seleção de excelente qualidade.
 Aqui podemos ver que a barraca entortava de tanto vento!
 Materiais para leitura divertida, direto da mala da Silvana do @casadeleitores.
 Teve até "tampaço" pra chamar o pessoal, um dos mais animados era o filho da @Boaleiturabomapetite.
 E teve contação de histórias, estreia da Ceci contando a história MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA da editora Moderna.
 Aqui aparecem as caixas onde o pessoal depositava as doações: mochilas, material de arte, livros didáticos e paradidáticos, revistinhas e muito mais.
 Amei essa foto da contação de histórias!
 Ah! E no meio teve o aniversário do Bento! Olha que faceiro e uma surpresa pra todo mundo. Teve distribuição de bolo pra todos da barraca!
 
 Quando colocamos as doações nos carros (dividimos em 3 pra poder caber tudo! uhuu!), as caixas sobraram e as crianças aproveitaram pra brincarem com elas. E óbvio que todo mundo queria ir junto na mesma caixa!
 Só achei uma pena eu não ter tirado muitas fotos das famílias lendo. Sabe aquela coisa da bateria acabar no melhor da festa? Uma pena!
 Mas amamos a participação das famílias. Muito obrigada pelo carinho e doações!
Eu e a Sil, falta a Márcia, na foto. Nós três organizamos o Picnic Literário e pedimos as doações. Muito obrigada pelo companheirismo, gurias!

Não temos foto de tudo que arrecadamos ainda, vamos tirar uma foto oficial e fazer um post. Se você quiser ainda contribuir basta mandar uma mensagem (Whatsapp) ou ligar pra Junia, DDD 061 - Brasília, responsável pelo projeto. Vamos ficar ainda mais felizes com a tua participação!
Fica a dica!
Muiito obrigada!
Boas leituras!